Publicado por: Denis Branco | fevereiro 28, 2011

empreendedorismo

Empreendedorismo foi por muito tempo, algo tido por mim como um objetivo único e claro, um estilo de vida adotado, pretendido, almejado, com todas as minhas energias voltadas para isso.

Hoje, algumas decepções depois, projetos que infelizmente (ou felizmente) não saíram do papel, essa vontade de empreender, criar algo novo e independente, amadureceu.

Não são mais as grandes visualizações que me encantam, que me fazem correr na busca de um sonho, que me faz dedicar horas e horas devorando livros, fazendo cursos, etc.

Lembro de ter lido livros e mais livros de administração, economia, empreendedorismo, estudado estatística, feito cursos de práticas financeiras para empresas, mergulhado nos cursos do Sebrae, devorado periódicos sobre o assunto, estratégias de mercado, marketing…

Nesta nova fase, sinto como se todas essas horas dedicadas aos estudos, imersões, conversas com outros como eu (malucos e inquietos), experiências profissionais variadas, tivesse sido minha preparação, e que o tempo tivesse agido como um fermento, feito crescer todas essas informações, criando conceitos novos, posições mais assentadas, percepções mais interessantes, e visão mais ampla e realista sobre o ambiente de negócios, o gerenciamento de pessoas, os impostos…

A massa está quase pronta, e logo vai ao forno.

Vamos ver como sai esse pão…!

Anúncios
Publicado por: Denis Branco | maio 20, 2010

O que define o momento da mudança

O que define o momento em que as mudanças drásticas ocorrem, pode ser um simples gesto, um módico sinal, um estalo…, um insight…
Tem certos momentos da vida, em que, os que desfrutam de boa sorte, conseguem enxergar que o caminho por onde caminham, pode não os levar para onde gostariam… De repente, as coisas escapam aos planos…
Mas são esses mesmos, providos de sorte, que hora ou outra decidem que esse é o momento, o motivo, e a inspiração para promover uma mudança! Que pode ser de uma simples trajetória, a uma verdadeira revolução pessoal, e emocional.
Decidem que aquele é o seu “fundo do poço”.
Porque é quando nos sentimos assim, que realmente promovemos essas mudanças mais significativas!
Quando definimos que aquele momento, aquelas condições, aquelas circunstâncias e tudo ao redor, precisa e pode ser mudado.
Mudar, assim como crescer, dói. E não é pouco!
Mas assim como crescer, mudar é excelente quando estamos no fundo do poço, olhando pra parede…! Afinal de contas, não há mais para onde ir…!
Mudar é portanto, necessário! E tão bom quanto a própria mudança, é saber identificar o momento exato de empreendê-la!

Boa sorte para mim!

Publicado por: Denis Branco | maio 11, 2010

Love is a losing game… And I lost it…

What to do when you take a look at yourself and you see a mount of bone and flesh…, lifeless…, totally damned…, cursed by the devil…, and completely abandoned…?

So… what to do when you see the mistakes that bring you up to this creepy situation…?

When you find out that the whole world is looking at you and laughing out loud…, you really start to think about be hanged by the neck…, only for a few days…

But that kind of thinking comes to say that this is a “weak thought”, and you should to shake off all the dust…, stand up and look forward…
But when you look over horizon… you doesn’t see anything… Anything but the sorrow…, the lonelyness…
All your projects, and dreams are now at the bottom of the ocean…, been destroyed by a hungry shark, and a lazy shrimp…

That woman whose always cheers you up, is now gettin’ away for you…, far away…
Those incredible green eyes, doesn’t look to your food anymore…, doens’t look to your clothes anymore…, to you arms, to your face, your legs…, your mouth…
Those lips doesn’t even touch you cheeks anymore…
And that heart… That incredible and warm heart, doesn’t even wants to be near of your heart…
So… what you think…: “What fuck I’m doing here…?”

You find out that life is a game of inches…, so as football…
Because in either game, life or football, the margin for error is so small… I mean… One half of step to late or to early, and you don’t quite make it, one half of second to slow or to fast, and you don’t quite catch it… The inches that we need, are on everywhere, around us… They on every break in the game, on every minute, every second…
But sometimes…, we are so busy, isn’t?!

So why I had to discover all of this by the worst way…?

Lately, I can’t even stand the face I see in the mirror…

I’d just wanted that she…, that she let me hold her…, tightly warm…, tenderly…, and with a bunch of passion…

Publicado por: Denis Branco | maio 5, 2010

Bananas Flambadas e o Casamento

Tem doce mais básico e previsível do que doce de banana…? Bolo de banana, bananada, torta de banana…, e por aí vai…!

Mas é assim… Não é a banana a culpada disso, mas o que fazem dela…

E talvez seja o mesmo com o casamento…!

Algumas pessoas falam que o casamento é ruim…, que é cansativo, previsível…, mas acho que o problema é o que nós fazemos com ele…, ou o que fazemos dele…!

Se formos pensar nos valores nutricionais de uma banana, são tão vastos e benéficos como os valores emocionais de um (bom) casamento!

Então, partimos do princípio que por definição, tanto a banana como o casamento, são coisas nutritivas, saudáveis, emocionantes, e deliciosas…, certo?!

Bom, mas já que esse blog trata de assuntos mais gastronômicos do que emocionais, vamos à Banana Flambada…

Apanhe uma quantia generosa de uma boa manteiga sem sal, canela em pó, açúcar, licor de cacau (ou amarula, ou whisky), uma frigideira antiaderente…, e vamos lá…!

Como disse anteriormente…, vamos fazer melhor com o que temos… E estou falando das bananas e do casamento…

Derreta em fogo médio a manteiga e junte a banana, adicione um canela o quanto você gosta (eu sempre coloco bastante), e deixe alguns minutinhos. Eu tenho mania de ficar movendo a frigideira, fazendo a banana dançar, o que talvez seja só mania mesmo, mas você pode tentar… Cuidado para não queimar nem a manteiga nem a banana. Adicione uma ou duas colheres de sopa de açúcar, mexa o creme, e role a banana por cima disso tudo…, e prepare-se para a parte mais divertida!

Adicione uma dose da bebida que escolheu, e incline levemente a borda da frigideira para que uma fagulha inicie o fogo! Não se assuste…, essa é a parte mais emocionante da sua simples banana!!!

Quando cessar o fogo, está pronto! Prove com uma bola de sorvete de creme, chocolate ou capuccinno!

O casamento pode, e deve ser a mesma coisa…!!! Mas devo dizer que não estou incentivando ninguém a flambar seu cônjuge, por mais tentador que isso possa parecer em certos tempos…

Sugiro que procure extrair o que há de mais nobre, mais delicioso, e mais charmoso dele…

Essa minha receita é talvez uma das que executo melhor, e devo meu aperfeiçoamento nessa delícia à minha saborosíssima esposa!!! Essa fera, que adora minha Banana Flambada, e que me deixa extremamente excitado quando a vejo lamber o prato literalmente!!!

Um beijão bem gostoso na sua boca, amor!!!

E saiba que meus segredinhos eu guardo pra você!!!

Publicado por: Denis Branco | abril 26, 2010

Bruschettas, Vinhos e Diana Krall

Por acaso você já experimentou o prazer de fazer bruschettas, tomando um delicioso e despretensioso vinho, ao som da Diana Krall?

Se sua resposta for negativa, sugiro que se dê esse presente…, logo…

Não digo para comer as bruschettas simplesmente, mas você deve ter o prazer de fazê-las…, à sua maneira…, no melhor do slow food…, e com todos os sabores que preenchem sua boca, e derretem seu coração junto com um gruyère ou ementhal de qualidade…

Posso até dar minha receita favorita, mas prometam incluir qualquer toque pessoal seu ao fazê-las, porque é aí que está o especial disso…

Vamos aos ingredientes então…

Pão italiano, tomates firmes mas maduros, alho, tomilho, ervas de provença, azeite (dos bons), sal, gruyère, parmesão, pimenta cayena, vinho tinto (Emiliana Carmenére 2008), um cd da Diana Krall (Live in Rio ou Live in Paris)…

Vamos lá…

Coloque o cd pra tocar!

Corte os tomates em pequenos cubos, com bastante carinho e paciência, e reserve. Agora o alho deve ser picadinho na faca mesmo…, e não tenha pressa, apenas muito carinho… Então misture todos em um bowl, acrescentando azeite, o tomilho, a pimenta cayena e as ervas de provença… E não se assuste porque não uso medidas…, mas a idéia é essa mesma, tudo bem?!

Disponha as fatias do pão em uma assadeira, regue com azeite (aquele bom…), e deite as lascas do gruyère sobre o pão, para só então distribuir generosamente os tomates temperados. Cubra com parmesão ralado, mas não precisa exagerar (a menos que seja essa sua intenção). Forno! Tempo? Até ficarem douradas, o tomate levemente desidratado…

 E enquanto passeia entre os pães, os tomates, os azeites, o alho e a Sra. Krall, lemre-se do vinho…

É muito importante criar um bom relacionamento entre você e o líquido que preenche sua taça…, e para isso, tenho certeza de não precisar entrar em detalhes…

Prontas as bruschettas, disponha-as em um prato, encha sua taça, e sente-se confortavelmente…, se possível com uma boa companhia…!

Agora é com você…, e tenho certeza de que sabe exatamente o que fazer… Ou não sabe?!

Bon appétit!

Publicado por: Denis Branco | dezembro 5, 2009

Networking

Recentemente, comecei a explorar uma nova rede social dedicada a pequenos e médios empreendedores, executivos, consultores, etc.

A Rede Exame PME, http://revistapme.ning.com/profile/DenisAugustoBranco é uma rede social da Revista Exame PME (editora Abril), que possibilita um networking muito interessante. Ao deixar um breve currículo em sua página pessoal, os usuários têm a oportunidade de entrar em contato uns com os outros de maneira muito simples e eficiente.

Os grupos criados pelos próprios usuários, oferecem uma integração e uma interação ainda maiores, já que nas discussões criadas, todos podem postar suas críticas, ideias e sugestões, favorecendo inclusive uma oportunidade de conhecer o mercado consumidor de um serviço e/ou produto específico.

Capitaneado pela Editora da Exame PME e administradora geral da rede social de EXAME PME, Luisa Mendes, esta ferramenta digital certamente está gerando muitos novos negócios e de maneira muito dinâmica.

Espero sinceramente que essa rede social continue crescendo, pois é um modo incrivelmente simples, de conhecermos pessoas que atuam em áreas de nosso interesse pessoal e profissional, mostrar um pouco do nosso trabalho, e com isso, realizar um networking muito eficiente.

Publicado por: Denis Branco | setembro 24, 2009

A VERDADE ESTÁ NA CARA, MAS NÃO SE IMPÕE – Arnaldo Jabor

O que foi que nos aconteceu?

No Brasil, estamos diante de acontecimentos inexplicáveis, ou melhor,’explicáveis’ demais. Toda a verdade já foi descoberta, todos os crimes provados, todas as mentiras percebidas. Tudo já aconteceu e nada acontece. Os culpados estão catalogados, fichados , e nada rola. A verdade está na cara, mas a verdade não se impõe.

Isto é uma situação inédita na História brasileira !!!!!!! Claro que a mentira sempre foi a base do sistema político , infiltrada no labirinto das oligarquias , mas nunca a verdade foi tão límpida à nossa frente e, no entanto, tão inútil, impotente, desfigurada !!!!!!!! Os fatos reais: com a eleição de Lula, uma quadrilha se enfiou no governo e desviou bilhões de dinheiro público para tomar o Estado e ficar no poder 20 anos !!!! Os culpados são todos conhecidos, tudo está decifrado, os cheques assinados, as contas no estrangeiro, os tapes, as provas irrefutáveis, mas o governo psicopata de Lula nega e ignora tudo !!!!! Questionado ou flagrado, o psicopata não se responsabiliza por suas ações.

Sempre se acha inocente ou vítima do mundo, do qual tem de se vingar.. O outro não existe para ele e não sente nem remorso nem vergonha do que faz !!!!! Mente compulsivamente, acreditando na própria mentira, para conseguir poder. Este governo é psicopata!!! Seus membros riem da verdade, viram-lhe as costas, passam-lhe a mão nas nádegas. A verdade se encolhe, humilhada, num canto. E o pior é que o Lula, amparado em sua imagem de ‘povo’, consegue transformar a Razão em vilã, as provas contra ele em acusações ‘falsas’, sua condição de cúmplice e Comandante em ‘vítima’!!!!! E a população ignorante engole tudo. Como é possível isso? Simples: o Judiciário paralítico entoca todos os crimes na Fortaleza da lentidão e da impunidade. Só daqui a dois anos serão julgados os indiciados – nos comunica o STF. Os delitos são esquecidos, empacotados, prescrevem. A Lei protege os crimes e regulamenta a própria desmoralização. Jornalistas e formadores de opinião sentem-se inúteis, pois a indignação ficou supérflua.. O que dizemos não se escreve, o que escrevemos não se finca, tudo quebra diante do poder da mentira desse governo.

Sei que este é um artigo óbvio, repetitivo, inútil, mas tem de ser escrito…. Está havendo uma desmoralização do pensamento. Deprimo-me: Denunciar para quê, se indignar com quê? Fazer o quê?’.. A existência dessa estirpe de mentirosos está dissolvendo a nossa língua. Este neocinismo está a desmoralizar as palavras, os raciocínios. A língua portuguesa, os textos nos jornais, nos blogs, na TV, rádio, tudo fica ridículo diante da ditadura do lulo-petismo. A cada cassado perdoado, a cada negação do óbvio, a cada testemunha, muda, aumenta a sensação de que as idéias não correspondem mais Aos fatos! !!!! Pior: que os fatos não são nada – só valem as versões, as manipulações. No último ano, tivemos um único momento de verdade, louca, operística, grotesca, mas maravilhosa, quando o Roberto Jefferson abriu a cortina do país e deixou-nos ver os intestinos de nossa política. Depois surgiram dois grandes documentos históricos: o relatório da CPI dos Correios e o parecer do procurador-geral da república. São verdades cristalinas, com sol a Pino. E, no entanto, chegam a ter um sabor quase de ‘gafe’. Lulo-Petistas clamam: ‘Como é que a Procuradoria Geral, nomeada pelo Lula, tem o desplante de ser tão clara! Como que o Osmar Serraglio pode ser tão explícito, e como o Delcídio Amaral não mentiu em nome do PT? Como ousaram ser honestos?’ Sempre que a verdade eclode, reagem. Quando um juiz condena rápido, é chamado de exibicionista’. Quando apareceu aquela grana toda no Maranhão (lembram, filhinhos?), a família Sarney reagiu ofendida com a falta de ‘finesse’ do governo de FH, que não teve a delicadeza de avisar que a polícia estava chegando… Mas agora é diferente. As palavras estão sendo esvaziadas de sentido. Assim como o stalinismo apagava fotos, reescrevia textos para contestar seus crimes, o governo do Lula está criando uma língua nova, uma neo-língua empobrecedora da ciência política, uma língua esquemática, dualista, maniqueísta, nos preparando para o futuro político simplista que está se consolidando no horizonte. Toda a complexidade rica do país será transformada em uma massa de palavras de ordem, de preconceitos ideológicos movidos a dualismos e oposições, como tendem a fazer o Populismo e o simplismo. Lula será eleito por uma oposição mecânica entre ricos e pobres, dividindo o país em ‘a favor’ do povo e ‘contra’, recauchutando significados que não dão mais conta da circularidade do mundo atual… Teremos o ‘sim’ e o ‘não’, teremos a depressão da razão de um lado e a psicopatia política de outro, teremos a volta da oposição Mundo x Brasil, nacional x internacional e um voluntarismo que legitima o governo de um Lula 2 e um Garotinho depois. Alguns otimistas dizem: ‘Não… este maremoto de mentiras nos dará uma fome de Verdades’!

Publicado por: Denis Branco | agosto 28, 2009

Oportunidade e Sorte

Venho aqui falar sobre o valor de uma oportunidade, de uma amizade, generosidade, da família, do fator sorte, do autoconhecimento, da persistência, da dedicação, da gentileza, da pesquisa, do espírito empreendedor…

Talvez devesse dividir esse punhado de temas em vários posts diferentes, mas a verdade é que há tempos quero escrever sobre todas essas coisas…, porque são assuntos que se completam, interligam…

No meu caso específico, falar de oportunidade é algo realmente especial, já que vivo atualmente a força impulsionadora de uma grande oportunidade, e que, embora gerada por um sentimento genuíno de generosidade, não se apóia apenas nisso.

Honestamente, não sei em que mais essa oportunidade que agarro neste momento, se firma. Mas quero acreditar (e isso é significativamente positivo), que é fruto das minhas escolhas até agora.

Estar preparado requer muito esforço, muito estudo, muitas horas acordado, e dessas, pouquíssimas de lazer. Requer muita pesquisa, muita garra, persistência, resiliência, confiança… autoaperfeiçoamento constante.

Autoconhecimento.

Talvez seja essa a grande chave para se conquistar uma oportunidade. Porque é com o autoconhecimento que aprendemos sobre nossas falhas (e todos temos muitas), descobrimos nossos pontos fortes, nossos interesses mais honestos, nossas aptidões, etc. É com uma boa dose de autoconhecimento que descobrimos o quê precisamos pesquisar, estudar, pelo quê devemos empregar tantas horas acordados, longe dos amigos, da família, enterrados em livros, revistas, sites

Mas o que nos mantém no rumo, o que nos inspira e incentiva mais senão a energia da família…, e por vezes, das amizades? E isso provavelmente acontece porque ficamos tão envolvidos nos processos, que acabamos ficando míopes para certas coisas. Detalhes que nos mostram como estamos indo bem. E como podemos melhorar ainda mais.

E especial é perceber como alguém, assim como nós, pode ter um sentimento tão grande como a generosidade. Pessoas que nem esperávamos, nos ajudam significativamente, em momentos muito oportunos, e com incrível gentileza…

E aí as coisas vão se encaixando… Percebemos que nosso espírito empreendedor, tem sim, muita sorte. Mas que essa sorte não vem fácil, da mesma maneira que a oportunidade também não.

Mas ambas, sorte e oportunidade, devem ser bem cuidadas, com muita dedicação, autoconhecimento, persistência, autoaperfeiçoamento e carinho.

Publicado por: Denis Branco | agosto 11, 2009

Toda grande caminhada começa pelo primeiro passo.

Este post marca um momento muito importante na vida deste curioso sobre as diversas áreas a que este Blog se destina.

Por ser o primeiro, representa justamente um sentimento de coragem, ousadia, e até oportunismo, já que é a primeira vez que me lanço nestes recursos da web 2.0, esperançoso de extrair daqui, muito mais do que apenas notoriedade, ou realizar contatos profissionais interessantes, mas grandes e novos conhecimentos.

Gastronomia é certamente o assunto que mais me interessa, mas não apenas no âmbito das receitas deliciosas de família ou das apresentações e texturas incríveis da Gastronomia Contemporânea. Me atrai muito, a forma como infelizmente os profissionais da cozinha não são levados tão a sério, nem valorizados, e raros são os que formalizam sua formação neste ramo.

Obviamente que não falo aqui, dos renomados e conhecidos chefs da mídia, mas sim daqueles que realmente produzem os artigos que encantarão os mais diversos paladares em um salão cheio de leões famintos, curiosos, e ansiosos. Os cozinheiros, ajudantes e auxiliares certamente deveriam ter mais contato com o mundo acadêmico do que têm hoje.

Não que isso interfira diretamente no sabor dos seus pratos, ou no toque único com que temperam um lombo, na criatividade, ou no modo como fatiam cebolas, mas faz diferença na segurança, na auto-estima. E principalmente, na valorização do profissional das panelas.

Até porque, quem é do ramo sabe que, não é para qualquer um.

Cozinhar profissionalmente exige tanta disposição e energia, quanto um atleta, tanta organização quanto um marceneiro, tanta higiene quanto um médico, tanta consciência quanto um filósofo, tanta disciplina quanto um militar, tanto carinho e atenção quanto um pai ou uma mãe.

Cozinhar é além de tudo isso, uma arte. Mas uma arte que, diferente do que muitos pensam, vazia do glamour que muitos acreditam ser parte inseparável da dólmã impecável do chef que apareceu na revista.

Por isso, amigos, quando forem prestigiar um chef renomado, ao menos lembrem-se daqueles que fizeram sua comida.

Grande abraço.

Categorias